Lições e memórias de uma pandemia

Lições e memórias de uma pandemia

Capa de Livro: Lições e memórias de uma pandemia

No ano já quase esquecido de 2019, fomos acometidos por dois dos maiores desastres ambientais do século XXI: o rompimento da barragem B1 da mina Córrego do Feijão, no município de Brumadinho, estado de Minas Gerais e pelo vazamento de petróleo cru que atingiu 3 mil quilômetros do litoral Nordeste e Sudeste, eventos acontecidos no Brasil. Ao final deste mesmo ano, dado que os impactos ambientais e, por conseguinte os impactos psicossociais, superavam as ações de reparação, notadamente no último caso, onde responsáveis ainda eram espectros, os pesquisadores dedicados ao entendimento das relações multitemporais e espaciais dos humanos com o seu habitat, que representa o foco da Ecologia Humana (EcoH), reuniram-se num esforço interdisciplinar, como bem defende a mesma EcoH, para produzir conhecimento científico de qualidade e trazer à tona aspectos que passamos a considerar como relevantes às ações de reparação e entendimento de diferentes tipos de vulnerabilidades sociais desnudadas por estas questões.

No início do desenvolvimento do projeto, a equipe debruçou-se sobre diferentes temáticas, desde a Teoria de Gaia, passando pela análise de armadilhas sociais em contexto de abandono das políticas públicas, chegando até à análise dos vazios legais sobre responsabilização penal e ambiental, no caso de dano à costa brasileira. Contudo, no decorrer da ideação do trabalho, fomos todos “engolidos” pela necessidade de paralisação de grande parte das atividades laborais, em função da pandemia causada pela doença chamada de COVID-19, provocada por um vírus. Teórico ser mais basal na cadeia da evolução ambiental. E nos pareceu que o derramamento de petróleo ficou infinitamente pequeno frente aos desdobramentos desta pandemia, e Brumadinho desapareceu... pelo menos dos meios que, diríamos, de informação de massa, incluindo-se aí, as redes sociais.

Ainda assim, seguimos com o caminho, mas o que passou a inquietar-nos foi o rumo devido a tomar, frente ao que agora se nos apresentava. A necessidade premente passou a ser, à luz das mesmas motivações iniciais, entender como havíamos chegado a este ponto, se tínhamos clareza sobre o porquê aqui chegamos e como daqui poderíamos seguir caminhando.

Pensando num público amplo e que continua ávido por conhecimento, em detrimento de compêndios de informação, tecemos uma linha, em rede, no sentido de fornecer subsídios
factuais para o entendimento acerca dos vazios estruturais e estruturantes forjados pela espécie humana, que foram capazes de romper a fronteira natural, entre esta e as demais que compõem a Biosfera. E é daí que Lições e Memórias de uma Pandemia nasce com o objetivo de visibilizar esta teia, não como uma armadilha, mas como o que ela poderia chegar a ser para uma aranha: um locus de descanso e nutrição. As lições podem ser extraídas do olhar sobre as refinadas estratégias de auto-predação da espécie humana,
com base em uma análise sobre a conexão entre esfacelamento do poder público (Políticas públicas e Projeções), a urgência sobre a memória da consciência de si e a consciência do todo (Reminiscências e Nevoeiro), desastres ecológicos-humanos (Agroecologia e Ecologia médica), e o exemplo de um caminho possível de convivência pacífica e inteligente com sua própria e única casa, através do entendimento da equilibrada e resiliente EcoH de povos e comunidades tradicionais (Povos indígenas e Direitos do
mar), para além do assustador número de casos de contágio e mortes pela COVID-19 que, de vidas humanas, por excesso de repetição de uma informação, passou a ser estatística.

Iramaia De Santana
Doutora em Biologia Marinha e Aquicultura

Gêneros:
Tags:

Ecocídio das Serras do Sertão

Capa de Livro: “FECHAR O CICLO”. A CONTRIBUIÇÃO DA ECONOMIA CIRCULAR PARA O COMBATE AO DESPERDÍCIO ALIMENTAR
“FECHAR O CICLO”. A CONTRIBUIÇÃO DA ECONOMIA CIRCULAR PARA O COMBATE AO DESPERDÍCIO ALIMENTAR
Capa de Livro: A ECOLOGIA DE FREUD
A ECOLOGIA DE FREUD
Capa de Livro: A ECOLOGIA HUMANA E SUA RELAÇÃO COM A SOCIOSFERA, ECOSFERA E PSICOSFERA
A ECOLOGIA HUMANA E SUA RELAÇÃO COM A SOCIOSFERA, ECOSFERA E PSICOSFERA
Capa de Livro: A MOVIMENTAÇÃO DE PESSOAS DURANTE EVACUAÇÕES DE EMERGÊNCIA EM LOCAIS DE REUNIÃO DE GRANDE PÚBLICO E SUA RELAÇÃO COM O PROJETO ARQUITETÔNICO
A MOVIMENTAÇÃO DE PESSOAS DURANTE EVACUAÇÕES DE EMERGÊNCIA EM LOCAIS DE REUNIÃO DE GRANDE PÚBLICO E SUA RELAÇÃO COM O PROJETO ARQUITETÔNICO
Capa de Livro: A Percepção dos Pescadores e a Educação Ambiental como Subsídios para a Conservação do Baixo São Franscisco
A Percepção dos Pescadores e a Educação Ambiental como Subsídios para a Conservação do Baixo São Franscisco
Capa de Livro: A PESCA ARTESANAL NO BAIXO SÃO FRANCISCO
A PESCA ARTESANAL NO BAIXO SÃO FRANCISCO
Capa de Livro: A pesca no baixo SãoFrancisco
A pesca no baixo SãoFrancisco
Capa de Livro: A Voz do Tempo
A Voz do Tempo
Capa de Livro: A ZOOTERAPIA DO POVO INDÍGENA PANKARARU NO SEMIÁRIDO PERNAMBUCANO
A ZOOTERAPIA DO POVO INDÍGENA PANKARARU NO SEMIÁRIDO PERNAMBUCANO
Capa de Livro: Análise Bibliométrica da Produção Científica na Área da Ecologia Humana
Análise Bibliométrica da Produção Científica na Área da Ecologia Humana
Capa de Livro: ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIAL EM NATAL-RN
ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIAL EM NATAL-RN
Capa de Livro: ARQUEOLOGIA EM PAULO AFONSO: DILEMAS E DESAFIOS
ARQUEOLOGIA EM PAULO AFONSO: DILEMAS E DESAFIOS
Capa de Livro: As Antinomias do Direito NA MODERNIDADE PERIFÉRICA
As Antinomias do Direito NA MODERNIDADE PERIFÉRICA
Capa de Livro: AS RAÍZES DA ECOLOGIA HUMANA
AS RAÍZES DA ECOLOGIA HUMANA
Capa de Livro: Barrando as Barragens: O Início do Fim das Hidroeletricas
Barrando as Barragens: O Início do Fim das Hidroeletricas
Capa de Livro: BERADEIROS, CULTURA E FÉ NA BEIRA DO SÃO FRANCISCO
BERADEIROS, CULTURA E FÉ NA BEIRA DO SÃO FRANCISCO
Capa de Livro: BETWEEN CULTURAL CHANGES AND THE FORMATION OF ECOLOGICAL INDIVIDUALS: THE TARTARUGUEIROS OF THE TAMAR PROJECT
BETWEEN CULTURAL CHANGES AND THE FORMATION OF ECOLOGICAL INDIVIDUALS: THE TARTARUGUEIROS OF THE TAMAR PROJECT
Capa de Livro: BOLETIM INFORMATIVO Pescadoras e Pescadores Artesanais do Cânion do São Franscisco
BOLETIM INFORMATIVO Pescadoras e Pescadores Artesanais do Cânion do São Franscisco
Capa de Livro: BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOÇÃO DE HARMONIA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO: O EPISÓDIO DO PENSAMENTO REGIONAL
BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE A NOÇÃO DE HARMONIA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO GEOGRÁFICO: O EPISÓDIO DO PENSAMENTO REGIONAL
Capa de Livro: BUDISMO ECOLÓGICO - O DHARMA COMO UM MEIO PARA REPENSAR O COLAPSO AMBIENTAL
BUDISMO ECOLÓGICO - O DHARMA COMO UM MEIO PARA REPENSAR O COLAPSO AMBIENTAL
Capa de Livro: Candomblé e Umbanda no Sertão - Cartografia Social dos terreiros de Jaguarari
Candomblé e Umbanda no Sertão - Cartografia Social dos terreiros de Jaguarari
Capa de Livro: Candomblé e Umbanda no Sertão - Cartografia Social dos terreiros de Paulo Afonso
Candomblé e Umbanda no Sertão - Cartografia Social dos terreiros de Paulo Afonso
Capa de Livro: Candomblé e Umbanda no Sertão - Cartografia Social dos Terreiros de Petrolina PE e Juazeiro BA
Candomblé e Umbanda no Sertão - Cartografia Social dos Terreiros de Petrolina PE e Juazeiro BA
Capa de Livro: CANDOMBLÉ E UMBANDA NO SERTÃO: Cartografia Social dos Terreiros de Senhor do Bonfim/BA
CANDOMBLÉ E UMBANDA NO SERTÃO: Cartografia Social dos Terreiros de Senhor do Bonfim/BA
Capa de Livro: Catuaba: Árvore que virou Comunidade
Catuaba: Árvore que virou Comunidade
Capa de Livro: CATUNI DA ESTRADA: PORTAL DAS AGUAS DA SERRA
CATUNI DA ESTRADA: PORTAL DAS AGUAS DA SERRA
Capa de Livro: COMUNIDADE QUILOMBOLA BAIXA DE QUELÉ
COMUNIDADE QUILOMBOLA BAIXA DE QUELÉ
Capa de Livro: CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS
CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS
Capa de Livro: DESERTIFICAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO E PARAIBANO
DESERTIFICAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO E PARAIBANO
Capa de Livro: DIÁLOGOS SOCIOAMBIENTAIS E PERPECTIVAS CULTURAIS
DIÁLOGOS SOCIOAMBIENTAIS E PERPECTIVAS CULTURAIS
Capa de Livro: Ecocídio das Serras do Sertão
Ecocídio das Serras do Sertão
Capa de Livro: Ecologia da Alma
Ecologia da Alma
Capa de Livro: Ecologia das Águas e das Almas de Boquira: Dilemas Socioambientais no Sertão Baiano
Ecologia das Águas e das Almas de Boquira: Dilemas Socioambientais no Sertão Baiano
Capa de Livro: Ecologia do Corpo
Ecologia do Corpo
Capa de Livro: Ecologia do Espirito
Ecologia do Espirito
Capa de Livro: Ecologia e Biodiversidade do Semiárido Nordestino I
Ecologia e Biodiversidade do Semiárido Nordestino I
Capa de Livro: Ecologia e Biodiversidade do Semiárido Nordestino II
Ecologia e Biodiversidade do Semiárido Nordestino II
Capa de Livro: Ecologia Humana -Uma visão global
Ecologia Humana -Uma visão global
Capa de Livro: Ecologia humana & pandemias: consequências da COVID-19 para o nosso futuro.
Ecologia humana & pandemias: consequências da COVID-19 para o nosso futuro.
Capa de Livro: Ecología Humana Contemporánea
Ecología Humana Contemporánea
Capa de Livro: Ecologia Humana e Agreocologia
Ecologia Humana e Agreocologia
Capa de Livro: Ecologia Humana em Ambiente de Montanha
Ecologia Humana em Ambiente de Montanha
Capa de Livro: Ecologia Humana: A Função da Natureza na Psicologia Analítica
Ecologia Humana: A Função da Natureza na Psicologia Analítica
Capa de Livro: ECOLOGIA HUMANA: Uma visão global
ECOLOGIA HUMANA: Uma visão global
Capa de Livro: ECOLOGIA TRANSHUMANA
ECOLOGIA TRANSHUMANA
Capa de Livro: Ecologias Humanas
Ecologias Humanas
Capa de Livro: Editorial Vol 3 Nº 3
Editorial Vol 3 Nº 3
Capa de Livro: EDUCAÇÃO E INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE TERRITÓRIOS E FRONTEIRAS SOCIOCULTURAIS EM CONTOS NEGREIROS, DE MARCELINO FREIRE
EDUCAÇÃO E INTERDISCIPLINARIDADE ENTRE TERRITÓRIOS E FRONTEIRAS SOCIOCULTURAIS EM CONTOS NEGREIROS, DE MARCELINO FREIRE
Capa de Livro: Educação para a Convivência com o Semiárido e Direitos Humanos
Educação para a Convivência com o Semiárido e Direitos Humanos
Capa de Livro: ENFOQUES MULTIDISCIPLINARES SOBRE DESASTRES
ENFOQUES MULTIDISCIPLINARES SOBRE DESASTRES
Capa de Livro: ENFOQUES MULTIDISCIPLINARES SOBRE DESASTRES 2
ENFOQUES MULTIDISCIPLINARES SOBRE DESASTRES 2
Capa de Livro: ESTIMATIVA DE PERDA DE SOLO POR EROSÃO LAMINAR EM LUCENA-PB
ESTIMATIVA DE PERDA DE SOLO POR EROSÃO LAMINAR EM LUCENA-PB
Capa de Livro: Ética e Prática da Ecologia Humana
Ética e Prática da Ecologia Humana
Capa de Livro: FOLHA PEQUENA
FOLHA PEQUENA
Capa de Livro: Fundamentos Historicos da Ecologia
Fundamentos Historicos da Ecologia
Capa de Livro: GESTÃO SOCIOAMBIENTAL DA PESCA E DA PISCICULTURA NO RESERVATÓRIO HIDRELÉTRICO DE XINGÓ, DELMIRO GOUVEIA-AL
GESTÃO SOCIOAMBIENTAL DA PESCA E DA PISCICULTURA NO RESERVATÓRIO HIDRELÉTRICO DE XINGÓ, DELMIRO GOUVEIA-AL
Capa de Livro: História ambiental, história indígena e relações socioambientais no Semiárido Brasileiro
História ambiental, história indígena e relações socioambientais no Semiárido Brasileiro
Capa de Livro: HOMENS E ESPAÇOS: UMA ANÁLISE DO ROMANCE CLARA DOS ANJOS, DE LIMA BARRETO
HOMENS E ESPAÇOS: UMA ANÁLISE DO ROMANCE CLARA DOS ANJOS, DE LIMA BARRETO
Capa de Livro: IMPACTOS DA EXTRAÇÃO MINERAL NO MUNICÍPIO DE PEDRA LAVRADA - PB
IMPACTOS DA EXTRAÇÃO MINERAL NO MUNICÍPIO DE PEDRA LAVRADA - PB
Capa de Livro: Lições e memórias de uma pandemia
Lições e memórias de uma pandemia
Capa de Livro: MANIFIESTO por la defensa de la vida en la amazonía
MANIFIESTO por la defensa de la vida en la amazonía
Capa de Livro: Memorias del III Seminario Internacional de Ecología Humana y II Congreso Nacional de Ecología Humana.
Memorias del III Seminario Internacional de Ecología Humana y II Congreso Nacional de Ecología Humana.
Capa de Livro: Multidisciplinary Perspectives about Disasters
Multidisciplinary Perspectives about Disasters
Capa de Livro: NASCER DO RIO
NASCER DO RIO
Capa de Livro: Natureza Sagrada
Natureza Sagrada
Capa de Livro: Nota sobre a  Ecologia  Humana na América Latina
Nota sobre a Ecologia Humana na América Latina
Capa de Livro: Nova Cartografia Social do Brasil da Comunidade Quilombola de Casinhas: Jeremoabo – Bahia.
Nova Cartografia Social do Brasil da Comunidade Quilombola de Casinhas: Jeremoabo – Bahia.
Capa de Livro: NOVA CARTOGRAFIA SOCIAL DOS CONFLITOS POR TERRITÓRIOS NO BRASIL CENTRAL
NOVA CARTOGRAFIA SOCIAL DOS CONFLITOS POR TERRITÓRIOS NO BRASIL CENTRAL
Capa de Livro: O DESPERDÍCIO ALIMENTAR E A SUSTENTABILIDADE DO MEIO AMBIENTE: DA TEORIA À PRÁTICA
O DESPERDÍCIO ALIMENTAR E A SUSTENTABILIDADE DO MEIO AMBIENTE: DA TEORIA À PRÁTICA
Capa de Livro: O HOMEM COMO NATUREZA E A NATUREZA COMO DIVINDADE ARQUETÍPICA
O HOMEM COMO NATUREZA E A NATUREZA COMO DIVINDADE ARQUETÍPICA
Capa de Livro: Os Saberes Populares no Viés da ECOLOGIA HUMANA
Os Saberes Populares no Viés da ECOLOGIA HUMANA
Capa de Livro: Òsányìn: Os Segredos e Mistérios das Folhas Sagradas
Òsányìn: Os Segredos e Mistérios das Folhas Sagradas
Capa de Livro: PERCEPÇÃO AMBIENTAL E IDENTIFICAÇÃO DE FATORES DE RISCO NA INFRAESTRUTURA FÍSICA DO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE-PB
PERCEPÇÃO AMBIENTAL E IDENTIFICAÇÃO DE FATORES DE RISCO NA INFRAESTRUTURA FÍSICA DO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE-PB
Capa de Livro: Perspectivas históricas y actualidad de la Asociación de Productores Orgánicos (APRO) en Paraguay: ¿qué dimensiones agroecológicas son aplicadas?
Perspectivas históricas y actualidad de la Asociación de Productores Orgánicos (APRO) en Paraguay: ¿qué dimensiones agroecológicas son aplicadas?
Capa de Livro: PODA E ARBORIZAÇÃO URBANA
PODA E ARBORIZAÇÃO URBANA
Capa de Livro: POVO TRUKÁ-TUPAN: a natureza sagrada tem aviso e tem encanto
POVO TRUKÁ-TUPAN: a natureza sagrada tem aviso e tem encanto
Capa de Livro: Povo Tuxá das Águas do Opará
Povo Tuxá das Águas do Opará
Capa de Livro: RECONTADO A PRÉ-HISTÓRIA E HISTÓRIA DO COMPLEXO ANGIQUINHO NA CACHOEIRA DE PAULO AFONSO
RECONTADO A PRÉ-HISTÓRIA E HISTÓRIA DO COMPLEXO ANGIQUINHO NA CACHOEIRA DE PAULO AFONSO
Capa de Livro: Revista Ecologias Humanas - Vol 3. nº. 3 - 2017
Revista Ecologias Humanas - Vol 3. nº. 3 - 2017
Capa de Livro: Revista Ecologias Humanas - Vol 4. nº.4 - 2018
Revista Ecologias Humanas - Vol 4. nº.4 - 2018
Capa de Livro: Revista Ecologias Humanas - Vol. 1 nº. 1 - 2015
Revista Ecologias Humanas - Vol. 1 nº. 1 - 2015
Capa de Livro: Revista Ecologias Humanas - Vol. 2 nº. 2 - 2016
Revista Ecologias Humanas - Vol. 2 nº. 2 - 2016
Capa de Livro: Revista Ecologias Humanas - Vol. 5 nº. 6 - 2019
Revista Ecologias Humanas - Vol. 5 nº. 6 - 2019
Capa de Livro: Revista Ecologias Humanas - Vol. 5 nº.5 - 2019
Revista Ecologias Humanas - Vol. 5 nº.5 - 2019
Revista Ecologias Humanas
Revista Ecologias Humanas 2020 Vol. 6 nº. 7
Capa de Livro: Rios e Homens
Rios e Homens
Capa de Livro: Serra Da Berinjela: A Terra Onde Nascem as Águas
Serra Da Berinjela: A Terra Onde Nascem as Águas
Capa de Livro: Sistemas Agricolas y Ganaderos Indigenas: El Caso Mapuche en Tres Zonas Agroecologicas Diferentes de la Region de la Araucania en Chile
Sistemas Agricolas y Ganaderos Indigenas: El Caso Mapuche en Tres Zonas Agroecologicas Diferentes de la Region de la Araucania en Chile
Capa de Livro: Sociedade-Natureza: compartilhando ideias, desenvolvendo sensibilidades
Sociedade-Natureza: compartilhando ideias, desenvolvendo sensibilidades
Capa de Livro: SUSTENTABILIDADE DO BIOMA CAATINGA
SUSTENTABILIDADE DO BIOMA CAATINGA
Capa de Livro: TRABALHO, ALIENAÇÃO E ESTRANHAMENTO: uma contribuição a uma educação emancipatória
TRABALHO, ALIENAÇÃO E ESTRANHAMENTO: uma contribuição a uma educação emancipatória
Capa de Livro: Universidad y  Ecosistema Montañoso Guamuahaya
Universidad y Ecosistema Montañoso Guamuahaya

O “Movimento Salve as Serras”
no Verde Campo de Batalhas dos
“Refugiados Climáticos”
Alfredo Wagner Berno de Almeida
Neste lançamento do “Movimento Salve as Serras”, mais especificamente as Serras do Sertão Nordestino, objetiva-se deflagrar uma campanha de proteção ambiental com denúncias e mobilizações em defesa da preservação das cadeias de terrenos montanhosos, escarpas, elevações e quebradas que se estendem desde a Serra do Espinhaço (MG e BA), alcançando a porção que vai de Jacobina a Jaguarari (BA) até se estender por Pernambuco e Ceará adentro; regiões dominadas pelo clima tropical semiárido e caracterizadas por uma complexa diversidade social. O sertão nordestino consiste numa região de grande biodiversidade, que registra os mais baixos índices pluviométricos em todo o país - e as áreas que apresentam menor pluviosidade estão localizadas no Submédio São Francisco entre os estados da Bahia e Pernambuco, justamente onde se concentra o cerne destas mobilizações ambientalistas que ora estão convergindo para a criação do “Movimento Salve as Serras”.

Este momento em que ocorre o lançamento é marcado não só pela pandemia, declarada em 12 de março de 2020, que agrava as desigualdades sociais, mas também por pelo menos três fatores sobre os quais convido a todos vocês para uma necessária e cuidadosa reflexão. Em primeiro lugar, constata-se, no plano internacional, uma intensificação das lutas contra o racismo e contra atos de estado inspirados em ações autoritárias e nitidamente colonialistas. Em segundo lugar, observa-se o desencadeamento de um processo de lutas acirradas, com multidões que tomam ruas e praças em grandes metrópoles de diferentes países, com importantes conquistas como estas que tornam o racismo - e, sobretudo, o racismo ambiental - um crime. E, finalmente, para efeitos analíticos os casos de financeirização da questão ambiental ou como o mercado financeiro se conecta hoje com a natureza. Tais modalidades de financeirização dos problemas ambientais parecem se articular com a elevação geral de preços nos mercados de commodities agrícolas, minerais e mínero-metalúrgicas, que agravam ocorrências de devastação, de queimadas, de grandes incêndios deliberados, de desmatamentos cada vez mais ampliados e de usurpação de direitos territoriais. Elas refletem diretamente nesta urgência da campanha “Salve as Serras”. Uma ação mobilizatória em tudo emergencial.

Esta campanha, que já é uma realidade, faculta possibilidades de consolidação de novas formas político-organizativas voltadas precipuamente para a proteção ambiental das serras sertanejas. Este é o ponto a ser aqui sublinhado. São elas que propiciam condições necessárias para o surgimento de um relevante movimento social apoiado em comunidades com raízes locais profundas, que possuem uma consciência ambiental aguda, bem como em fatores identitários e numa perspectiva inovadora no uso de critérios de proteção e defesa do meio ambiente. Os laços entre seus componentes têm sido construídos virtualmente, como ditam as normas sanitárias nestes tempos de pandemia, com pouquíssimas intervenções presenciais e sempre baseados numa redefinição do conceito de tradicional, trazido criticamente para o presente e ressemantizado de maneira apropriada. Do meu ponto de vista, tem-se mais um capítulo de mobilizações populares, não restritas a um grupo ou segmento social determinado, voltadas para a proteção
ambiental, sob o manto da dimensão regional, segundo uma presencialidade do passado, assim expressa, resumidamente, nas várias falas registradas em rede, através de interlocuções virtuais:

Somos de regiões de serras, que tradicionalmente mantiveram recursos naturais estratégicos para a vida no Semiárido, os quais têm que ser protegidos mediante tantas ameaças e ações predatórias de mineradoras, agronegócios e empreendimentos de energia eólica, porque constituem a garantia de nosso futuro.

Editores:
Ilustradores:
Gêneros:
Tags:

Multidisciplinary Perspectives about Disasters

O Livro foi organizado sob a responsabilidade do Núcleo de Pesquisa em Desastres da Universidade Federal do Rio Grande do Norte ("NUPED-UFRN"). Os autores envolvidos criaram capítulos em três idiomas, inglês, espanhol e português, como estratégia de divulgação dos estudos de RRD realizados na América Latina.

Por mais recente que seja, os riscos e desastres têm desempenhado um papel importante na literatura científica internacional. Assim, pode-se observar que os eventos extremos têm causado prejuízos imensuráveis a múltiplos setores da sociedade, especialmente àqueles que se encontram em alta vulnerabilidade social, principalmente quando a realidade latino-americana reside na atuação desrespeitosa e negligente dos governos para com seus cidadãos. Os argumentos de tais governos baseiam-se exclusivamente no próprio fenômeno, ou seja, a busca premeditada pela naturalização do conceito de desastre, e não consideram os resultados derivados de omissões e medidas ineficazes.
A História tem ensinado à comunidade científica que a negligência descontextualizada dessa área significa desconhecer a complexidade do campo e os impactos em nosso cotidiano. A necessidade de uma mudança de atitude da comunidade científica e, consequentemente, uma transformação do paradigma em relação aos desastres, ou seja, a desnaturalização do conceito. Atualmente, a Pandemia Covid-19 tornou explícito o que falta ao governo apresentar ao público, ou seja, as vulnerabilidades do sistema e os interesses envolvidos, uma vez que os governos tomam medidas ineficazes para a prevenção e controle de eventos extremos com múltiplas vítimas.

Gêneros:
Tags:

Revista Ecologias Humanas 2020 Vol. 6 nº. 7

ISSN: 2447-3170

Revista Ecologias Humanas
Parte da Vol 6 série:
  • Revista Ecologias Humanas 2020 Vol. 6 nº. 7
Edições:
Data de Publicação:
Editores:
Ilustradores:
Artistas de Capa:
Gêneros:
Tags:
Trecho:

EDITORIAL

O ano 2020 entra na História da espécie humana (Homo sapiens sapiens), como um período marcado pela angústia, pela incerteza, pelo medo... Vimos uma espécie que se auto proclama como primazia da natureza em relação aos outros seres que coabitam a terra, se amedrontar frente ao ataque mortal de um vírus 2019-nCoV (Covid -19) cuja potência de disseminação faz com que a contaminação se espraie velozmente.

Nesse contexto, fica evidente que os processos de aceleramento técnico-científicos que possibilitam deslocamento de pessoas de forma muito mais rápida, tanto no âmbito nacional quanto internacional, acabam por permitir e/ou facilitar um maior índice de contaminação em escala planetária num curtíssimo espaço de tempo.

leia mais

Diante dessa nova realidade, a humanidade mergulha num desequilíbrio ecossistêmico sem precedentes na História. A aparente normalidade em que se encontrava a humanidade dá lugar a presentificação factual e, dessa forma, a incerteza do amanhã e o desespero atingem a todos uma vez que, passados onze meses do início da catástrofe, não se tem, ainda, um medicamento eficaz nem vacina em quantidade bastante para inibir esse mal que assolou o planeta, desertificou cidades e esvaziou a vida de milhões de pessoas.

É importante assinalar que esse mesmo humano, em geral, se opõe ao entendimento de que ele próprio é parte intrínseca da natureza e, agora, se vê numa condição de impotência e se dá conta da incapacidade de fazer com que as engrenagens do capitalismo (marcadamente caracterizadas pelas contradições sociais, pela perversidade e pelas desigualdades) funcionem adequadamente, num contexto pandêmico.

Assim, as estratégias de reprodução capitalista, tornam mais aguda a crise social. Nesse contexto, são as populações pobres que mais sofrem com a pandemia. São a elas negadas, pelo contexto de periferização, o acesso às condições sanitárias básicas para o enfrentamento da doença. É diante e em virtude de todos esses aspectos, que a Revista da Sociedade Brasileira de Ecologia Humana traz o presente dossiê.

O primeiro artigo de Gisele Duarte intitulado: “As plantas alimentícias não convencionais como contributo de subsistência e sobrevivência em tempos de escassez de alimentos”, traz à tona conhecimentos valiosos sobre segurança e autonomia alimentar, a partir do manejo de espécies ainda pouco conhecidas, mas de grande valor ecológico-alimentar.

O Segundo artigo, do professor Sérgio Murilo dos Santos, explica como “os riscos da sociedade mundial, diante dos perigos naturais, biológicos e tecnológicos e da Covid-19”, são prementes, ante as ‘ameaças’ daquilo que se denomina “sociedade de Risco”.

No terceiro artigo, o Professor Carlos Alberto, pesquisador e docente permanente do Programa de Pós-graduação em Ecologia Humana e Gestão Socioambiental – PPGEcoh, discute as práticas zooterápicas da Etnia Truká. No estudo, o professor não só identifica diferentes espécies como também os usos zooterapêuticos e métodos de uso para promoção da saúde da referida comunidade. Lembra, também, que tal característica não exclui o acesso à medicina convencional.

No quarto artigo, o professor Paulo Sérgio Farias analisa o contexto de isolamento social e discute sobre experiência espaço-temporal de um período que ele denomina de tempo suspenso e de contenção territorial.

No quinto e último capítulo, o professor Ávila-Pires se debruça sobre o que ele chama de categorias falsas e, também, sobre correlações duvidosas e cálculos inadequados difundidos em redes virtuais que, muitas vezes, levam a conclusões epidemiológicas falhas.

Por fim, na seção Notas, encontraremos os escritos do professor Nilson Cortez em que ele traça itinerários para entender a História da Geografia, mergulhando numa das derivações dessa ciência que é a Geografia da Saúde Humana. Diante dos enunciados propostos pelos autores, no sexto número da Revista da SABEH, nos juntamos a todos e todas para a leitura de mundo difundida nesse periódico, na expectativa de que as aprendizagens proporcionadas possam resultar em saberes que, de certo, serão muito importantes para todos nós, ao tempo em
que retroalimentarão a rede de conhecimento sobre as temáticas já existentes e que tratam das discussões aqui delineadas.

Coordenação do Editorial

 

Profa. Dra. Maria do Socorro Pereira de Almeida.
Universidade Federal Rural de Pernambuco  - email: socorro.almeida@ufrpe.br

Prof. Dr. Sérgio Luiz Malta de Azevedo
Universidade Federal de Campina Grande - email: sergio.malta@ufcg.edu.br

menos

BOLETIM INFORMATIVO Pescadoras e Pescadores Artesanais do Cânion do São Franscisco

ISBN Impresso: 978-65-5732-025-9 ISBN Digital: 978-65-5732-024-2

Capa de Livro: BOLETIM INFORMATIVO Pescadoras e Pescadores Artesanais do Cânion do São Franscisco
Parte da Vol 2 série:

O fascículo das comunidades pesqueiras teve o propósito de dar visibilidade a presença da pesca artesanal na região do Cânion, uma vez que o governo pretendia criar uma unidade de conservação integral, onde a categoria ambiental de Parque, proposta inicial, levaria ao deslocamento de inúmeras famílias, a exemplo do deslocamento de cidades, comunidades, povoados retirados compulsoriamente com a construção dos barramentos hidrelétricos no São Francisco.

A região não suportaria mais deslocamentos, o que levou agentes do Ministério do meio ambiente e do Ministério Público, apresentar proposta de criação do MONA, categoria menos restritivas que possivelmente, consideraria atividades como a criação de pequenos animais e a pesca artesanal. Neste período, os pescadores artesanais realizaram inúmeras mobilizações sociais com audiências públicas junto ao Ministério Público, entre outras ações de natureza organizativa.

A construção do fascículo da nova cartografia social junto aos pescadores e pescadoras artesanais, foi um importante instrumento que deu visibilidade a pelo menos de 1200 famílias pesqueiras presentes nesta região. Inúmeros debates avaliaram os impactos que as populações
locais teriam com a criação do MONA.

Data de Publicação:
Editores:
Ilustradores:
Artistas de Capa:
Gêneros:
Tags:

Povo Tuxá das Águas do Opará

ISBN: 978-65-5732-023-5

Capa de Livro: Povo Tuxá das Águas do Opará
Edições: (português)
ISBN 978-65-5732-023-5
Páginas: 245

A Série Povos Indígenas do São Francisco, parceria entre o Projeto Nova Cartografia Social do Brasil e a Editora SABEH, apresenta o livro: Povo Tuxá das Águas do Opará, que reune uma série de textos sobre o Povo Tuxá de Rodelas/BA. 

“O povo Tuxá segue na luta pela demarcação do seu território tradicional D’zorobabé, na tentativa de darmos continuidade às práticas tradicionais e/ou culturais, contribuindo assim para a transmissão e manutenção dos conhecimentos étnicos do nosso povo. A cartografia social chega em um novo momento, de tentativas de violações a esses direitos territoriais por parte do projeto econômico e político do Estado, porém nos desperta mais um motivo, para continuarmos tendo esperança, pois até onde alcança a memória comunitária e as bibliografias do meu povo, sempre tivemos força e coragem, mesmo diante de todas as ameaças e violações de direitos indígenas. Seguindo essa luta em prol do bem-viver comunitário e do direito de continuarmos (r)existindo enquanto comunidade indígena.”, destacou Ayrumã Tuxá.

O livro reune autores e autoras de diferentes áreas do conhecimento, enriquecendo ainda mais a bibliografia sobre o Povo Tuxá, destacando a presença de autores Tuxá: Luiza Assis de Oliveira (Ayrumã Tuxá), Felipe Cruz Tuxá e a cacique Antonia Flechiá Tuxá, além de pesquisadores da antropologia: Leandro Durazzo e Ricardo Salomão, e da Ecologia Humana: Nilma Carvalho, André Souza, Alzeni Tomaz e Juracy Marques.

Link para download: Livro Povo Tuxá - Ebook_compressed

 

Data de Publicação:
Editores:
Ilustradores:
Artistas de Capa:
Gêneros:
Tags:

CATUNI DA ESTRADA: PORTAL DAS AGUAS DA SERRA

ISBN: 978-65-5732-020-4

Capa de Livro: CATUNI DA ESTRADA: PORTAL DAS AGUAS DA SERRA
Edições: (português)
ISBN ISBN: 978-65-5732-020-4

Catuni da Estrada é um corpo social pertencente ao território político da cidade Jaguarari, localizada no sertão baiano. A vista é marcada por uma peculiar transição entre Mata Atlântica e Caatinga Florestada, a vegetação é rasteira arbustiva e arbórea. Algumas árvores alcançam mais de 50m, o que evidencia a existência de uma floresta densa e diversificada. Atualmente a flora vem sofrendo mudanças constantes e gradativa, estando profundamente ligado ao processo de ocupação humana dos espaços. Trata-se de enclaves de mata úmida dentro de uma região onde as precipitações orográficas (aspectos de um determinado relevo) são inconstantes, formando os conhecidos “Brejos de altitude”. As chuvas são mais frequentes entre os meses de março a julho, tornando o clima ameno e com um verde exuberante. A paisagem como um todo é munida de recursos suficientes para diferenciá-la, sendo percebida através de uma plasticidade que vai moldando toda a sua composição biogeográfica. O espaço físico serrano possui rochas cristalinas auto-organizadas, que são esculpidas em superfícies suavemente onduladas, apresentando crista superior a mil metros acima do nível do mar.

Está fincado na mesorregião do norte baiano e microrregião de Senhor do Bonfim, Catuni está inserido no Território de Identidade do Piemonte Norte do Itapicuru, localizado ao sopé sul da Serra do Gado Bravo numa altitude de 603 metros. Possui uma localização privilegiada, como é sempre verde em todos os meses do ano, é constantemente abastecida de frutas (abacaxi, banana, jaca, manga…) da região denominada “grota”, inserida nas escarpas da cordilheira de Serra do Espinhaço1. Atrás do Vale Catuni sucedendo serra acima, revela-se desfiladeiros e paisagens de grande perfeição. O longo caminho passa ao lado da barragem que possui uma variante à esquerda, conduzindo até um entroncamento onde a direita está a grota do Pripiri e a esquerda está a comunidade de Cachoeira dos Betes, passando ao pé do Morro Redondo e seguindo pelos caminhos dos remanescentes engenhos de Cana-de-açúcar.

O Povoado de Catuni é, hoje, um arruamento que fica à margem da ESTRADA DE FERRO DA BAHIA AO SÃO FRANCISCO (EFBSF), num ponto equidistante entre a capital Salvador e o interior do estado, em Juazeiro. A distribuição espacial tem como formato principal uma Meia Lua de onde emerge ramificações.

Suas ruas são: Rua Nova, Rua Alto Bonito, Rua do Matadouro, Rua da Praça São Vicente de Paula, Rua da Areia, Rua Santa Tereza e Rua Olhos D’água.

Na entrada da vila existe uma imagem do padroeiro católico São José que vai sentido Escola Municipal Maria Ivete e posteriormente na Igreja. Logo, percebemos casas e casarões espalhados pelo percurso. As construções históricas remetem a arquitetura colonial brasileira, transpassando seus dois séculos de existência. Tendo como pano de fundo as serras que criam uma visão panorâmica na linha do horizonte.

Data de Publicação:
Editores:
Gêneros:
Tags:

POVO TRUKÁ-TUPAN: a natureza sagrada tem aviso e tem encanto

ISBN 978-65-5732-018-1

Capa de Livro: POVO TRUKÁ-TUPAN: a natureza sagrada tem aviso e tem encanto
Edições: (português) - Primeira ediçao
ISBN 978-65-5732-018-1
Páginas: 221

O aldeamento Truká-Tupan é marcado por desterritorialização e a reterritorialização é composta por uma identidade interétnica, que atua num regime em torno da organização Indígena. As famílias aguardam a demarcação da reserva no território que corresponde a área do Alto do Aratikum, a 9 quilômetros do município de Paulo Afonso – Bahia, a área segue o Riacho Alto do Aratikum até o desembocar no Rio São Francisco na PA 4.

São terras devolutas, marcadas por processos de reintegração de posse e as adversidades do tempo e do espaço. Com as secas prolongadas e dificuldades de acesso a água a partir do São Francisco, a comunidade busca alternativas de armazenamento de água, uso e sustentabilidade na produção.

O modo de vida Truká-Tupan, se constitui a partir de experiências com iniciativas de tecnologias sociais como a confecção de tijolos ecológicos para pequenas construções, bem como, a transição de um modo de produzir considera- do ecológico e espiritual através de pequenos roçados, produção apícola, entre outras iniciativas que fortalecem as suas identidades. Suas iniciativas estão intrinsecamente ligadas a uma cosmovisão Indígena, num olhar cuidadoso, se relacionado com a ideia do Bem Viver.

A Aldeia é comandada pela Cacica Erineide, que carrega uma ancestralidade ligada a orientação política e espiritual. A marca de gênero constitui relações diferenciadas neste aldeamento. É na força do cacicado feminino que o lugar da mulher deixa de ser invisível para dar lugar a dois importantes elementos: a autoridade organizativa do grupo e a dimensão simbólica que constitui espaços sociais e produtivos de transmissão de conhecimentos e valores de natureza equitativa.

A coleção de artigos publicados nesta edição, reúne aspectos de construções identitárias e territoriais que apontam modos significativos de viver, associados a costumes e culturas transmitidos e constituídos por esta ‘Bela Aldeia’.

Link para download: Livro Povo Truká-Tupan - Ebook_compressed

Data de Publicação:
Editores:
Ilustradores:
Artistas de Capa:
Gêneros:
Tags:

ECOLOGIA HUMANA: Uma visão global

Capa de Livro: ECOLOGIA HUMANA: Uma visão global
Edições: (português)
ISBN 978-85-99799-91-8
Páginas: 368

A Ecologia Humana é uma área de formação e de investigação que adota uma perspectiva pluridisciplinar para analisar as interações entre os sistemas sociais e os sistemas ecológicos estimulando a emergência de competências transversais e especializadas para a leitura das mudanças sociais e ambientais que resultam dessa interação.

A Ecologia Humana é uma área de formação e investigação consolidada ao nível mundial. Para além dos EUA, onde um elevado número de Universidades tem departamentos ou oferece cursos em Ecologia Humana ou do Canadá, estes encontram-se também em universidades do México, da Austrália, do Japão, da China e na Europa, de Portugal, da Alemanha, da França, da República Checa e da Inglaterra, entre outras.
Para além disso existe um conjunto amplo de revistas temáticas que publica artigos nesta área. Entre elas podemos destacar a Human Ecology, editada pela Springer, que publica regularmente desde 1972 artigos sobre o papel dos fatores sociais, culturais e psicológicos na manutenção ou degradação dos ecossistemas e os efeitos da densidade populacional sobre a saúde, a organização social e a qualidade ambiental; o mais recente Journal of Human Ecology, publicado em Nova Deli, Índia, divulga desde 1990 artigos na área interdisciplinar da Ecologia Humana; a Society for Human Ecology edita a sua própria revista desde 1993, a Human Ecology Review que publica artigos teóricos e de investigação sobre a interação entre o ser humano e o ambiente; e a HUMAN ECOLOGY: An Interdisciplinary Journal, editada pelo Departamento de Antropologia do Hunter College, da Universidade da cidade de Nova Iorque publica desde 1972 artigos de investigação em áreas diversas desde a antropologia, a geografia, a psicologia, a sociologia e o planeamento urbano.

Aguardamos com muita expectativa a edição da primeira revista em língua portuguesa para acolher os artigos da nossa crescente comunidade de ecólogos humanos. Essa revista “Ecologias Humanas” será da responsabilidade da Sociedade Brasileira de Ecologia Humana (SABEH).

Trata-se assim de uma comunidade internacional vibrante e dinâmica que acolhe um crescente número de pessoas que procuram a pluridisciplinariedade, o convívio entre saberes de várias áreas científicas, a liberdade para desenvolverem a sua investigação num contexto que acolhe a diferença e a diversidade. Esta postura diferencia-a de outras ciências especializadas, fechadas em “silos epistemológicos” e em que as fronteiras do que é ensinado e investigado estão bem definidas. A Ecologia Humana distingue-se pela forma como “olha para o mundo envolvente” onde também não existem fronteiras bem definidas pois os fenômenos ambientais e os fenômenos sociais são interdependentes.

Mas afinal o que é a ecologia humana? O que é que estuda?
Quais são as inquietações que movem os ecólogos humanos?
Como as abordam e investigam?

Nesta coletânea de textos encontramos respostas para essas questões e ficamos a perceber melhor esta fascinante área de conhecimento.

Gêneros:
Tags:
Trecho:

Os 3 primeiros capítulos são elucidativos quanto à emergência da Ecologia Humana, seu objeto de estudo e o que a distingue das outras ciências.

No primeiro capítulo Ronaldo Alvim, autor do livro “Ecologia Humana: da visão acadêmica aos temas atuais”, recentemente publicado, faz uma abordagem das Bases da Ecologia Humana referindo como ela se transformou numa ciência altamente especializada mantendo, ao mesmo tempo, uma visão holística, abrangente e transdisciplinar, condição que a torna complexa e mesmo difícil de ser definida.

leia mais

Roderick J. Lawrence é o Coordenador do Grupo de Ecologia Humana do Instituto de Ciências Ambientais da Universidade de Geneve e escreve o capítulo sobre Dialogue Between Disciplines: Contributions of Human Ecology. Nele o autor explica como o contexto político, econômico, ambiental e social se alterou profundamente desde a década de 20, do século 20, quando a Ecologia Humana emergiu. Lawrence faz um percurso
pelas várias áreas científicas, desde a antropologia, a arquitetura e planeamento urbano, a economia, a epidemiologia, a psicologia, a sociologia e a teoria dos sistemas, com as quais de uma ou outra forma a ecologia humana interage, referindo o contributo que cada uma delas deu para o desenvolvimento da investigação em ecologia humana.

No capítulo sobre Ecologia Humana: Reflexões Sobre a Natureza da Humanidade, Juracy Marques, Presidente da Sociedade Brasileira de Ecologia Humana (SABEH), mostra como no estudo da dinâmica dos ecossistemas ficou de fora uma espécie, a espécie humana. Como refere a Ecologia Humana é uma ecologia que coloca gente nos ecossistemas e situa-se nas inquietações sobre essa relação entre a espécie humana e os
ecossistemas. Traça a evolução conceptual da ecologia humana desde a sua emergência ligada à Escola de Chicago, nas década de 10 e de 20, do século 20, passando pelo importante artigo de Robert Park “Human Ecology” publicado em 1936 no “American Journal of Sociology”, até à atualidade.

Iva Miranda Pires é coordenadora do Mestrado e do Doutoramento em Ecologia Humana, da Universidade de Lisboa. Na sua contribuição Problemas Sociais Complexos: O Olhar da Ecologia Humana caracteriza este tipo de problemas, de elevada complexidade e de difícil solução, mostrando como a Ecologia Humana, que propõe uma visão holística e pluridisciplinar, está bem posicionada para contribuir para os identificar e encontrar soluções.

Ajibola Isau Badiru, arquiteto e Professor Titular pela Universidade Tiradentes, parte de um conjunto de questões iniciais, em particular porque é que o planeamento socioambiental incorporou mais questões econômicas do que ambientais?para organizar o seu ensaio sobre Ecologia do Processo de Planejamento Socioambiental.

Desde a Revolução Industrial e consequente transferência de populações rurais para as cidades estas tiveram um crescimento explosivo o que coloca enormes desafios para a gestão destas áreas considerando a sua sustentabilidade. Descreve em seguida várias formas de gestão e de planeamento, nomeadamente planeamento ambiental, e ainda o Processo da Metodologia da Avaliação de Impactos Ambientais.

Masatoshi Yoshino é japonês e especialista em climatologia. No ensaio Tsunami Disaster as an Environmental Factor of Human Life and Society fala-nos no impacto que o tsunami de 2011 teve quer na população das áreas afetadas quer no território e da lenta recuperação dado o grau de devastação que ele provocou. Catástrofes naturais desta grandeza afetam o quotidiano das populações de diversas formas pelo que é necessária
uma abordagem holística, como a praticada pela Ecologia Humana, para encontrar soluções.

No capítulo Buen Vivir: Perspectivas de Mudança Civilizacional a Partir do Equador, Sónia Nobre, médica e voluntáriana da organização Médicos do Mundo, mostra que existem alternativas para o conceito de bem estar muito associado ao paradigma de desenvolvimento ocidental. Neste ensaio é apresentado o conceito de Buen Vivir que teria emergido nas décadas de 80 e de 90 do século XX, por intermédio dos movimentos
indígenas equatorianos. Desde essa altura o conceito de Buen Vivir, que assenta nas premissas fundamentais da harmonia e do equilíbrio entre todos os seres vivos, incluindo o ser humano e a Mãe Terra, fez o seu percurso no contexto acadêmico e político, suscitou amplos debates e inúmeras publicações até ter sido incorporado como fio condutor da nova Constituição equatoriana.

Amado Insfrán Ortiz e Maria José Aparicio Meza, ambos formados na área da Ecologia Humana no ensaio Hambre  y Abundancia: La Doble Crisis Y Los Desafíos en el Campo de la Ecología Humana, utilizam a perspetiva holística e multidisciplinar da ecologia humana para discutirem a fome e a abundância, entendidas como uma dupla crise da Humanidade no início do seculo 21. Embora, dada a complexidade do tema, pareçam existir mais perguntas que respostas, impondo grandes desafios à ecologia humana, a recuperação de formas de alimentação local, associadas à cultura das comunidades e a recuperação dos ecossistemas como estratégias de desenvolvimento podem ser respostas possíveis.

Hernán Castellanos, doutorado em Ciências Biológicas e Ronaldo Gomes Alvim colocam esta questão de partida ¿ESel Desarrollo Sostenible Ajustado a la Visión de Equilibrio en la Ecología?.Desde que foi apresentado no Relatório Brundtland, em 1987, o conceito de desenvolvimento sustentado tem sido amplamente discutido, criticado, adotado, mal interpretado e re-inventado. É talvez um dos conceitos mais difundidos
e estudados; fazendo uma pesquisa simples no Google com a expressão desenvolvimento sustentável obtemos cerca de 21.400.000 resultados. Apesar de já terem passado quase três décadas desde a sua formulação continuam a persistir barreiras e algum desacerto social quanto à sua implementação, como bem mostram os autores.

Finalmente, Manuel Cesario no capítulo sobre Human Ecology on Ecosystem Services for Human Health, mostra que existe uma relação entre biodiversidade e saúde humana lamentando a pouca atenção que lhe tem sido dada. Apresenta quatro casos de estudo que mostram como a saúde humana depende da “saúde” dos ecossistemas e como ecossistemas preservados podem ter um papel importante na prevenção da doença. Por exemplo, a fruição da natureza selvagem ou um passeio num parque podem contribuir para o bem-estar psicológico, ecossistemas preservados são essenciais para uma larga parte da população mundial que ainda depende da medicina tradicional, ou mesmo a sua importância na reabilitação física ou na re-integração social acolhendo desde sanatórios a estâncias termais ou espaços de meditação. A Ecologia Humana, capaz de construir pontes entre a tecnologia, a sociedade e o ambiente, proporciona o enquadramento metodológico adequado para estudar estas inter-relações.

Este livro, que será lançado no II SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ECOLO GIA HUMANA — A pesquisa em Ecologia Humana, organizado pela Universidade do Estado da Bahia, Campus VIII, na cidade de Paulo Afonso, de 11 a 14 de Setembro de 2014, faz jus ao lema da Ecologia Humana pela diversidade de abordagens apresentadas, pela diversidade de temas, de autores, de formações e de nacionalidades. Confiamos que possa ser útil para todos os que já conhecem ou estão a iniciar o seu percurso de investigação na área da Ecologia Humana.

menos

Educação para a Convivência com o Semiárido e Direitos Humanos

Experiências Educativas do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada – IRPAA

Capa de Livro: Educação para a Convivência com o Semiárido e Direitos Humanos

Este livro resulta do trabalho de pesquisa desenvolvido junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade – PPGEduC/UNEB e busca levar ao leitor reflexões e inquietações humanas acerca de uma das questões atuais e desafiadoras, ainda invi- síveis aos olhos da grande mídia: a educação contextualizada em uma realidade semiárida, ao norte da Bahia, na perspectiva dos direitos humanos emancipatórios. A pesquisa ocorreu a partir do conheci- mento e análise das experiências voltadas para a convivência com o semiárido, desenvolvidas pelo Instituto Regional da Pequena Agrope- cuária Apropriada – IRPAA, abrangendo Comunidade Tradicional de Fundo de Pasto, situada no Território do São Francisco.

Em alguns municípios do semiárido baiano, vem sendo cons- truída uma noção de desenvolvimento local sustentada em paradig- mas vinculados às especificidades socioeconômicas, ambientais e cul- turais da região e que ultrapassam os interesses do capital. Novas concepções e alternativas surgem, tecem novas perspectivas com o propósito de estabelecer uma nova realidade, principalmente a partir

dos problemas enfrentados e tendo como protagonistas o ser huma- no e o meio ambiente.

Entre as propostas inovadoras de desenvolvimento sustentável, inclui-se a convivência com o semiárido, fundamentada na educação e baseada, em especial, na relação dialética entre o homem e a nature- za. A proposta de Convivência com o semiárido vem se consolidando numa perspectiva transformadora e busca, partindo do local, conscien- tizar os sujeitos a compreenderem o ambiente e os fenômenos naturais da região onde vivem, com vistas ao aproveitamento das potencialida- des e da construção das novas possibilidades diante das problemáticas encontradas. Traduz-se como um “prático socioespacial” novo.

Editores:
Gêneros:
Tags: